domingo, 30 de janeiro de 2011

Coração

Chamo-te coração. Ris-te, não percebes.
Interpretas como mais uma das nossas brincadeiras e deixas fugir a verdade, dia após dia.

Chamo-te coração. Tu tens o meu coração. Tu és o meu coração.
Por muito que eu lute contra isso.
Por muito que eu tente fugir, tente não pensar.

És-me tão essencial como o ar.

Só não entendo como é que não entendes isso.
Devo ser tão boa actriz!

1 comentário:

Catarina A disse...

Sabes que ás vezes essas coisas não são fáceis de notar :P